A Dinatech
está presente na
América Latina
há mais de 10 anos e
sua atuação cresce
a cada dia.

Conheça nossos produtos e serviços.


BYOD (Bring Your Own Device)

Atua no usuário e no acesso a aplicativos; na proteção de dados e aplicativos; protege contra ameaças; permite o compartilhamento seguro de arquivos e realiza o gerenciamento de dispositivos pessoais.

 


Proteja Suas Informações Estratégicas

UTM  – Unified Threat Management – Integra soluções de segurança, entre elas Network-Level (Firewall, VPN, Traffic Shaping, IPS, Wireless, WAN Interface, VoIP Control, Roteamento Layer 2/3), Application-Level (Vírus Protection, Spam Filter, WEB Content Filter) e Management Service (User Authentication, VoIP Support, Logging, Reporting)

Este é um dos serviços da Dinatech na área de segurança de dados.

 


Otimização e aceleração de redes

As soluções oferecidas pela Dinatech promovem a melhoria de performance dos ambientes e aplicações dos clientes em taxas médias maiores que 70%

 

 


Monitore seus Negócios

Serviços de Gerenciamento

Através do monitoramento proativo de todos os dados de TI e segurança dos clientes, a Dinatech realiza a identificação preventiva de fraudes e vazamentos de informação;

 

 

 


Garanta sua Privacidade

Gestão da segurança da informação

São oferecidos produtos e serviços que garantem a segurança da informação tanto no ambiente interno quanto externo do clientes

 

 


O seu site, sempre disponível

Infraestrutura e Sistemas

Uma série de produtos e serviços focados em proporcionar redes estáveis e seguras. Tanto em infraestrutura de hardware como em sistemas.

.

 

 

 

Notícias de Tecnologia e Negócios

Mercado de Internet das Coisas chegará a R$ 26 bilhões no Brasil em 2018

O estudo IDC Predictions, que aponta tendências e movimentos de mercado para os 110 países nos quais a IDC atua, mostrou que IoT avançará mais rapidamente, inclusive no mercado doméstico, onde apenas 4% das residências brasileiras possuem algum tipo de dispositivo conectado, como controles de câmeras de segurança, temperatura e ar condicionado, por exemplo. Para 2018, o mercado doméstico de IoT no Brasil está estimado na ordem de US$ 612 milhões. Em coletiva de imprensa nessa terça-feira (30/01), Reinaldo Sakis, gerente de pesquisa e consultoria de dispositivos para usuários finais (consumer devices) da IDC Brasil, afirmou que há um grande interesse da população pelo assunto e também vontade dos fabricantes em aumentar a oferta de produtos de IoT domésticos. De acordo com ele, o preço elevado e a interface (como reconhecimento de fala escasso para o português brasileiro) são barreiras ainda para serem transpostas para aumentar o volume de dispositivos conectados à internet. “Diversos produtos para este segmento ainda são importados. Enquanto não tiver produção local será difícil saltar para uma taxa de 20%, por exemplo”, disse. No mercado corporativo, projetos de IoT ganham força, fazendo com que o mercado total no Brasil seja superior a US$ 8 bilhões neste ano, segundo a previsão da IDC, que tem como base iniciativas alavancadas pelo Plano Nacional de Internet das Coisas (MCTIC e BNDES) nas áreas da saúde, indústria, agricultura e infraestrutura urbana. Falta ainda a definição de tarifação, que deve ser divulgada pela Anatel ainda neste primeiro semestre. Pietro Delai, gerente de pesquisa e consultoria para infraestrutura na IDC Brasil, vê uma adoção de IoT independente do plano nacional. A... ler mais

Bolsa de criptomoedas hackeada devolverá R$ 1,3 bi a clientes

A bolsa de criptomoedas com sede em Tóquio Coincheck Inc. disse neste domingo que irá devolver cerca de 46,3 bilhões de ienes (425 milhões de dólares) que perdeu para hackers há dois dias, em um dos maiores roubos de dinheiro virtual na história. O montante representa quase 90 por cento dos 58 bilhões de ienes em moedas NEM que a companhia perdeu em um ataque que a forçou a suspender na sexta-feira os saques de todas criptomoedas, exceto bitcoin. A Coincheck disse em um comunicado que irá devolver os recursos a cerca de 260 mil donos de moedas NEM em ienes japoneses, mas que ainda trabalha para definir quando e como isso será feito. O roubo evidencia preocupações de segurança e regulação quanto ao o bitcoin e outras moedas virtuais, mesmo em meio a um boom global das criptomoedas que ainda dá poucos sinais de que possa enfraquecer. Duas fontes com conhecimento direto do assunto disseram que a Agência de Serviços Financeiros do Japão (FSA) enviou uma notificação às cerca de 30 empresas que operam bolsas de moedas virtuais no país com um alerta sobre a possibilidade de novos cyber-ataques e exigindo que elas aumentem a segurança. O regulador financeiro também está considerando punições adminstrativas à Coincheck sob as leis financeiras do país, disse uma das fontes. O Japão começou a exigir que operadores de bolsas de criptomoedas se registrem junto ao governo apenas em abril de 2017. Operadores que então já existiam, como a Coincheck, foram autorizados a continuar a oferecer seus serviços enquanto aguardavam aprovação. O pedido da Coincheck, submetido em setembro, ainda está pendente. A Coincheck... ler mais

Ataque a bolsa de criptomoedas rouba mais de R$ 1 bilhão

Após horas de especulações, Yusuke Otsuka, cofundador da Coincheck, informou em uma entrevista coletiva à noite na Bolsa de Valores de Tóquio que a companhia não sabia que os 500 milhões de tokens haviam desaparecido, mas a firma está empenhada em garantir a segurança de todos os ativos dos clientes. A Coincheck havia anunciado anteriormente a suspensão de todos os saques, a paralisação das negociações de todos os tokens, com exceção do bitcoin, e a interrupção dos depósitos em moedas NEM. “Estamos analisando os fatos em torno da Coincheck”, afirmou a Agência de Serviços Financeiros do Japão em comunicado. Este desaparecimento provavelmente é uma das maiores perdas ou roubos de ativos de investidores desde o advento das moedas digitais, com o lançamento do bitcoin em 2009. A NEM, 10ª maior criptomoeda em valor de mercado, caía 7,5 por cento no período às 11h28 em Nova York, para US$ 0,86, segundo o Coinmarketcap.com. O bitcoin registrava uma queda de menos de 1 por cento, e o ripple recuava 5 por cento, de acordo com os preços disponíveis na Bloomberg. No Japão, um dos maiores mercados de criptomoedas do mundo, as autoridades lançaram um sistema de licenciamento para ampliar a supervisão dos negócios locais a fim de evitar a repetição do colapso da bolsa Mt. Gox, que sacudiu os mercados de criptomoedas em todo o mundo em 2014. Naquele momento, o roubo de bitcoin foi estimado em cerca de US$ 450 milhões, embora esse número tenha sido modificado posteriormente. As bolsas de criptomoedas, das quais muitas operam com pouca ou nenhuma regulação, sofreram uma série de interrupções e cortes em meio... ler mais

Quer conversar sobre as necessidades da sua empresa?

Share This